Fingir que está tudo bem enquanto o telefone não toca, a vida não gira.

Fingir que está tudo bem, o coração a tilintar feito pequenos cristaizinhos pulando no chão (…) Desculpe tanta sede, tanta insatisfação. Amanhã, amanhã, recomeço. Caio Fernando de Abreu

beijos, julie.

Anúncios